O Presépio

Tempo de leitura: 5 minutos

Estamos vivendo o Advento, momento de reflexão e preparação para o Natal. Período em que também nossas casas são preparadas para receber o menino Jesus. É tempo de enfeitar a casa com luzes, de montar a árvore de Natal e também de iniciarmos a montagem do presépio.

Conforme a tradição católica, a árvore de Natal deve ser montada a partir do início do advento e não logo após passar o dia de finados, como o faz o comércio – as vezes até antes.

A montagem do presépio pode acontecer de duas formas: pode ser montado no terceiro domingo do advento (momento em que as leituras bíblicas começam a falar do nascimento de Jesus) ou pode ser montado de forma gradativa, pois é como a preparação para a celebração do nascimento de Jesus. Começa-se com a gruta, depois os pastores e vai se inserindo os elementos. A colocação dos elementos deve ser intensificada a partir do terceiro domingo do advento conforme as leituras bíblicas da liturgia vão narrando a história da preparação para o nascimento de Jesus. O menino Jesus não deve estar presente na Manjedoura até a noite do dia 24 para o dia 25 de dezembro.

A história conta que o primeiro presépio foi montado no século XIII, feito todo em argila por São Francisco de Assis. Na época, a Igreja não permitia a realização de representações litúrgicas nas paróquias, mas São Francisco pediu a dispensa da proibição, para relembrar ao povo a natividade de Jesus Cristo.O objetivo de São Francisco era facilitar a compreensão do nascimento de Jesus.

No século XVIII, a tradição de montar o presépio dentro das casas das famílias se popularizou pela Europa e, logo em seguida, por outras regiões do mundo.

A palavra presépio refere-se ao local onde o gado é colocado ao ser recolhido, ou seja, refere-se ao curral. Por representar a simplicidade, o presépio não deve ser muito sofisticado com tantas luzes e enfeites. Quanto mais simples for, mais ele se aproxima da realidade de Jesus.

Elementos que podem estar presentes no presépio:

1.º – Estrela de Belém: simboliza a luz de Deus que guia ao encontro do Salvador e orientou os Reis Magos para onde estava Jesus. É a indicação do caminho que se deve percorrer para encontrar o Menino Jesus.

2.º – Anjo (responsável por anunciar a chegada de Jesus): representa o céu que celebra o nascimento de Jesus. É o mensageiro de Deus, comunicador da Boa Notícia. O anjo do presépio normalmente segura uma faixa com a frase: Gloria in excelsis Deo, que significa: Glória a Deus nas alturas.

3.º – Manjedoura com palhas em um curral: é local onde nasceu Jesus.

4.º – Virgem Maria (mãe de Jesus Cristo): é a escolhida para ser a mãe do Salvador. Aquela que disse “sim” à vontade de Deus e, por ela, a humanidade recebeu Jesus.

5.º – José (pai de Jesus Cristo): é o pai adotivo de Jesus, o homem que o assumiu como filho, que lhe deu um nome, um lar, que ensinou a Jesus uma profissão, a de carpinteiro. José deu ao Menino Jesus a experiência de ser filho de um pai terreno.

6.º – Reis Magos: Melchior, Gaspar e Baltazar eram homens da ciência. Conheciam astronomia, medicina e matemática. Eles representam a ciência que vai até o Salvador e o reconhecem como Deus. Segundo São João Paulo II, “a verdadeira ciência nos leva à fé”, pois nos revela a grandeza da criação. Os presentes que os magos oferecem ao Menino Jesus também têm significados. O ouro significa a realeza; era um presente dado aos reis. O incenso significa a divindade, um presente dado aos sacerdotes. Sua fumaça simboliza as orações que sobem ao céu. Dando esse presente a Jesus, os magos reconhecem que o Menino é divino. E a mirra simboliza o sofrimento e a eternidade. É um presente profético: anuncia que Jesus vai sofrer, mas também que seu reinado será eterno.

7.º – Burro e Boi ou ovelhas: animais do curral, representam a simplicidade do local onde Jesus nasceu. Os animais representam a natureza a serviço do homem e de Deus. No nascimento de Jesus forneceram calor ao local e simbolizaram a simplicidade do local onde Jesus quis nascer.

8.º – Pastores: representam a simplicidade das pessoas do local em que Jesus nasceu. Depois de Maria e José, os pastores foram os primeiros a saberem do nascimento do Salvador. Eles simbolizam a humildade, pois naquele tempo a profissão de pastor era uma das menos reconhecidas.

9.º – Menino Jesus: filho de Deus e o Salvador. É o Filho de Deus que Se fez homem, para dar sua vida pela humanidade. “Sendo ele de condição divina, não Se prevaleceu de Sua igualdade com Deus, mas aniquilou-Se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-Se aos homens” (Filipenses 2, 6-7).

Para o teólogo Luciano Santos, tanto a montagem da árvore de Natal quanto a montagem do presépio simbolizam a união da família em torno da fé cristã. “O ato de preparar a árvore possibilita a experiência da convivência e do trabalho em família por um objetivo comum. A árvore é sinal de uma grande festa que irá ocorrer, ou seja, o Natal. O presépio mantém acessa a chama da fé cristã na encarnação do Filho de Jesus. Esse momento para as famílias recorda a simplicidade, o perdão, o amor, a amizade, a fé num Deus que se fez humano para elevar à humanidade a glória de Deus. É tempo de encontro entre as famílias e de celebrar a vida de Deus em nossas vidas com nossas alegrias e dores”.

 

Conheça alguns dos nossos produtos da categoria de presépios:

Comentários no Facebook