A mãe dos aflitos

Tempo de leitura: 1 minuto

Visitei Lourdes, na França, em agosto. Não conhecia a história de Nossa Senhora de Lourdes e fiquei encantada. A santa é a mãe dos aflitos, daqueles que vivem momentos de sofrimento. Chegando à Lourdes, percebi o porquê da popularidade dela, que se deve principalmente à ligação com os doentes. A fonte de Massabielle, nos arredores da cidade, atrai peregrinos de todo mundo. A fonte cura e dá conforto espiritual. Mais de 60 mil milagres aconteceram em Lourdes por causa do uso dessa água. Em 1858, Nossa Senhora fez brotar esta fonte no chão e convidou uma menina para beber a água.

Bernadette era assim: uma menina humilde e de saúde debilitada. Pobre, analfabeta e asmática. Ela tinha apenas 14 anos quando a Virgem Maria apareceu diante dela no dia 11 de fevereiro de 1858 na gruta de Massabielle. O encontro foi uma demonstração da predileção de Deus pelos mais pobres.

A menina tinha ido buscar lenha com duas amigas. A intenção era vender o material em troca de alguns centavos. A caminho do rio Gave, elas passaram por uma gruta.  Bernadette entrou na gruta e viu uma luz radiante. Da luz, surgiu uma mulher vestida de branco com um rosário na mão e um cinto brilhante.

Bernadette voltou à gruta três dias depois e encontrou de novo com a senhora. Só na terceira aparição, dia 18 de fevereiro, que a mulher falou com a menina. Ela pediu que Bernadette voltasse à gruta durante 15 dias. No total, foram 18 aparições. Em uma delas, a Virgem se identificou dizendo que era a Imaculada Conceição, dogma que foi proclamado pelo Papa Pio IX.

Depois das aparições, Bernadette se mudou pra um convento na cidade de Nevers, na França. Ela morreu em 1879, aos 35 anos, e foi canonizada em 1933. Santa Bernadette foi a primeira a conhecer a humildade e o carinho de Nossa Senhora de Lourdes, a mãe dos aflitos.

Fonte da imagem: Canção Nova

Comentários no Facebook